Português Italian English Spanish

Ex-prefeito João Gonçalves lança livro sobre História de Porangatu no Palácio das Esmeraldas

Ex-prefeito João Gonçalves lança livro sobre História de Porangatu no Palácio das Esmeraldas

“Descoberto da Piedade” resulta de uma pesquisa em documentos e das memórias do político que, durante a ditadura civil-militar, comandou a resistência peemedebista no Norte de Goiás

 
 

Porangatu, uma das cidades mais prósperas de Goiás, tem uma história rica, em parte mitológica (como a história da índia Angatu; um garimpeiro teria dito “morro por Angatu” — daí o nome). Há grandes personagens históricos, como Euzébio Martins, João Gonçalves dos Reis, Ângelo Rosa, Pedro Cunha, entre outros. Coube a João Gonçalves dos Reis, o Joãozinho da Farmácia na recriação popular, contar a história do município no livro “Descoberto da Piedade” (a cidade era chamada de Descoberto). Não se trata de um pesquisador profissional, e sim de uma pessoa que, além de ter pesquisado vários documentos, sabe, por vivência — tem 90 anos de idade e uma memória privilegiada —, muito da história do município. É provável que muito do que conta não pudesse ser relatado por um historiador profissional, afeito, por vezes, exclusivamente aos documentos. A obra de João Gonçalves dos Reis é certamente um livro de história e de memória — com a história fortalecendo a memória e a memória vitalizando a história. Certamente se tornará um texto de referência.

“Descoberto da Piedade” (200 páginas) é um lançamento da Cânone Editorial, a casa dirigida, de maneira competente, por Ione Valadares. O livro será lançado na sexta-feira, 28, às 19h30, no Palácio das Esmeraldas, e no sábado, 29, a partir das 9 horas, no VIII Grande Encontro dos Porangatuenses, no Clube Ferreira Pacheco, em Goiânia.

Quem é Joãozinho da Farmácia

Há políticos de rara linhagem e entre eles podem ser citados Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, Milton Campos, Tancredo Neves, Ulysses Guimarães e Henrique Santillo. São políticos de nome consagrado nacionalmente. Mas há os de caráter municipal que têm uma história rica e que merecem maior divulgação — afinal, como escreveram Púchkin e Tolstói, para conhecer o universo é crucial conhecer, primeiro, a aldeia. João Gonçalves dos Reis, conhecido em Porangatu como Joãozinho da Farmácia, é um dos que merecem figurar em qualquer lista dos melhores políticos de Goiás e, portanto, do Brasil.

Na época da ditadura civil-militar, quando era mais confortável figurar como um de seus representantes na Arena, Joãozinho da Farmácia optou por ficar na oposição, no MDB, onde se tinha uma vida difícil, pois sofria-se até perseguições (quem nasceu em Porangatu lembra-se que um prefeito da Arena só aceitava matrículas na Porantécnica se os pais lhe pedissem a bênção política). Durante toda a ditadura, entre 1964 e 1985, permaneceu no MDB, não aceitando pressões de quaisquer natureza, mantendo-se tranquilo e, ao mesmo tempo, um resistente. Aos que se agitavam, recomendava cautela, sugerindo que tudo, inclusive as ditaduras, passa.

Título:
 

Eleito prefeito de Porangatu, em tempo de ditadura, com recursos minguados e sem apoio decisivo do governo do Estado, ainda assim fez um bom governo. Mas é preciso sublinhar uma coisa sobre Joãozinho da Farmácia. Ele fez obras, é certo. Deixou sua marca na história do município como realizador. Mas é preciso dizer mais: governou a cidade como um democrata autêntico, ouvindo a sociedade e respeitando os poderes Legislativo e Judiciário. Quando era moda perseguir, já que os homens do poder no país e no Estado perseguiam, optou pela democracia plena, por dialogar com todos com o máximo de respeito, transparência e, frise, delicadeza. Era um político republicano na prática, não apenas no discurso. Então, contrariando os “obreiristas”, pode-se dizer que Joãozinho da Farmácia vai ficar — ou melhor, já está — na história de Porangatu como o político que, em plena ditadura, comportou-se como democrata. Como estadista.

A respeito de Joãozinho da Farmácia não se pode falar apenas do político — cuja falta de ambição não o deixou ir mais longe (optou por apoiar um filho, o engenheiro Carlos Rosemberg, formado pela UnB, para deputado estadual). É preciso falar também do homem. Pode-se dizer que, na vida cotidiana, comportava-se e comporta-se como um autêntico franciscano. Dono de uma farmácia, às vezes mais doava do que vendia medicamentos. Lá, com ou sem dinheiro, não se deixava de levar remédios para casa. Não se pense que era uma tática populista, que Joãozinho usava a farmácia para cabalar votos. Nada disso. Ele atendia bem a todos, não importando a mínima com ideologia partidária. O que importava para ele, em todos os sentidos, era a justeza da causa.

Como definir Joãozinho da Farmácia em poucas palavras? Em termos políticos, um democrata sem adjetivos. Talvez seja imperativo um advérbio de quantidade como adereço: um grande democrata. Mas, ao examiná-lo como indivíduo, basta dizer que se trata de um homem bom.

Joãozinho escreveu uma história de Porangatu. Falta agora escrever sua biografia, que, de certo modo, confunde-se com a história do município. Observe-se que as palavras Joãozinho e Porangatu contêm nove letras e começam com consoantes, “J” e “P”, e terminam com vogais, “O” e “U”. Mera coincidência? Talvez. Mas revela uma identidade entre o homem e a cidade.

 

Fonte:Jornal Opção/Euler Belém