Português Italian English Spanish

Operação para combater venda de rebite prende 10 pessoas em Goiás

Operação para combater venda de rebite prende 10 pessoas em Goiás

Caminhoneiros confessam aos policiais o consumo da droga para tirar o sono. PRF alerta que uso causa efeitos colaterais e potencializa riscos de acidentes.

Divulgação

 

Operação contra venda de rebite prende 10 pessoas em Goiás (Foto: Divulgação/ PRF)

 

As Polícias Civil e Rodoviária Federal divulgaram nesta sexta-feira (26) a prisão de 10 pessoas durante uma operação contra a venda de rebites às margens da BR-153, em Goiás. Também foram apreendidos 1.192 comprimidos, quatro armas de fogo, um veículo, porções de cocaína e crack.

De acordo com a Polícia Civil, os 10 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em comércios e residências que vendem a substância proibida a caminhoneiros nos municípios de Rianápolis, Campinorte, Mara Rosa e Porangatu. Em um restaurante, a dona negou a venda da droga, mas várias cartelas de compridos foram encontradas no caixa.

Segundo a PRF, motoristas usam a substância para ficarem acordados e, como consequência, otimizar o tempo das viagens. Porém, a droga provoca, em muitos casos, efeitos colaterais que potencializam a chance de acidentes de trânsito.

Durante esta semana, policiais flagraram motoristas dirigindo sob o efeito da droga, que estimula o sistema nervoso central:

Policial - Quanto que o senhor pagou nessas duas cartelas aqui?
Motorista - R$ 25 cada.
Policial - Adquiriu aonde? 
Motorista - Na beira da rodovia aqui, na BR.
Policial – O senhor utiliza a droga para que?
Motorista - Quando eu uso é só pra dar uma tirada no sono, só.

Uma pesquisa realizada pela PRF com motoristas profissionais em 2016 constatou que de 10 mil caminhoneiros entrevistados, 35% confessaram que fazem uso frequente de substância proibida para aumentar o tempo de direção.

"Isso altera totalmente a capacidade psicomotora do caminhoneiro. Então, ele não vai ter noção de profundidade, velocidade, distância, não vai conseguir fazer uma ultrapassagem corretamente e aqui, como é pista simples, leva a colisões frontais que vão a óbito os envolvidos", disse o PRF Alexandre Capuci.