Português Italian English Spanish

Márcio Arruda gerente de endemias,está atento aos acontecimentos da saúde pública

Márcio Arruda gerente de endemias,está atento aos acontecimentos da saúde pública

 

RESOLVIDO OS PROBLEMAS DOS GRILOS

Ivan Vieira

 

Ivan Vieira

 

MARCIO ARRUDA,GERENTE DE ENDEMIAS EM PORANGATU

Márcio de Santana Arruda-Gerente de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Porangatu, em entrevista ao Jornal Norte Aki, falou sobre o trabalho de sua gerencia, que foi uma descentralização do trabalho da Campanha de Erradicação da Malária (CEM), com os guardas malários e que hoje é municipalizado.

Disse ainda que a função do gerente de endemias é comandar todas as áreas de controle de vetores, que tem os agentes de combate de endemias,que fazem visitas de casa em casa,tem a equipe estratégica com escadas,para verificação e se necessário,tapas as caixas d’água.

Grilos

Márcio Santana Arruda, falou sobre os grilos que apareceram em Porangatu, uma espécie mais escura e maior no tamanho, vindo da zona rural que fazem muito barulho.Cientificamente, não se achou nenhuma questão de zoonoses nesse inseto.Porém a infestação, perturbou muito,sobretudo as pessoas idosas, e as roupas sendo traçadas,além da invasão no comércio. Esses grilos estavam aglomerados na grama do canteiro central da avenida federal e tem suspeita que a grama tenha vindo com os ovos.

E este ano os girinos não apareceram, que quando crescem viram sapos e são predadores naturais dos grilos.

Divulgação
 

Ouve uma verdadeira invasão desses insetos. E depois de uma reunião os braços da secretaria de saúde: Endemias, Epidemiologia, Centro de Zoonoses e Vigilância Santinária, optaram pelo controle químico. E através da Prefeitura  de Porangatu, a Secretaria de Saúde conseguiu inseticida,para aplicar no canteiro central e foi feita a dedetização. Orientando a combater em casa, deixar o lixo bem tapado, fechar a casa durante a noite, limpar o quintal, pois os insetos gostam de local úmido e com gramas, hortas  e etc.Foi usado um inseticida profissional,atendendo toda legislação de Equipamento de Proteção Individual(EPI). Já tem mais de uma semana após o combate e os grilos não são mais vistos, no perímetro urbano da cidade.

Peixinhos

Márcio Arruda, comentou, que a nova aposta da Prefeitura de Porangatu, através de sua área contra o mosquito transmissor da dengue,tem nome,sobrenome e apelido.O nome é meio complicado,”Poecilia reticulata”,mas também atende pelos apelidos de Lebiste, Guaru ou até Barrigudinho e como o Aedes Aegypti é do mundo animal, o Lebiste adora devorar as larvas do mosquito.

Divulgação
 

 

O gerente de endemias, adiantou que esses peixinhos colocados nas cisternas, estará comendo as larvas de pernilongos,Aedes e qualquer outros insetos.O peixinho mede no máximo 4 centímetros e é resistente,vivendo pelo menos 10 anos,em tanques e cisternas, e ajuda a fazer o papel da larvicida, que é muito difícil ser distribuído pelos órgãos públicos.

“A vantagem desse peixinho, é que se reproduz muito rapidamente, bastam um macho e uma fêmea para que em um mês a população aumente 30 vezes”,explica o gerente.Um dos poucos cuidados que precisam ser tomados é não jogar cloro na água.O peixe não suporta o tratamento químico.“Em locais onde a água é tratada quimicamente não é necessário colocar os peixes,já que, nem ele e nem as larvas do mosquito sobrevivem”acrescenta Márcio Arruda.

Os peixes são colocados em locais onde a Endemias, Epidemiologia, Centro de Zoonoses e Vigilância Santinária, julgam necessário.“Nossos agentes visitam mensalmente,todos os imóveis de Porangatu.Quando eles percebem que há a necessidade de colocar o peixe,uma equipe vai depois até o local e o coloca”,diz. Ainda de acordo com Márcio Arruda,casas para alugar ou para vender e que estejam fechadas são locais que mais preocupam,principalmente aquelas que possuem piscinas. 

Ivan Vieira